O que as pessoas realmente pensam sobre segurança e privacidade na internet das coisas?

Privacidade e Segurança em uma Vida Conectada

A Internet das Coisas (IoT). É algo que ouvimos falar mais e mais todos os dias. De relógios inteligentes a TVs inteligentes, a carros inteligentes: todos os dias ouvimos cada vez mais sobre como as pessoas estão usando dispositivos e os conectando a Internet e como isso nos beneficiará.

Mas, o que essas pessoas que podem comprar e usar esses dispositivos realmente pensam sobre segurança e privacidade acerca desses dispositivos? Elas pensam que podem proteger suas informações de maneira adequada? Elas pensam que as vantagens entre a conveniência e a segurança e privacidade realmente valem a pena? Elas vêem suas informações pessoais como algo de valor que podem negociar e vender? E se for assim, para que venderiam suas informações?

Essas são algumas perguntas que nos fizemos aqui na Trend Micro e nos juntamos ao Ponemon Institute para obter as respostas. O resultado dessa parceria é o nosso novo estudo, que estamos divulgando hoje: Privacidade e Segurança em uma Vida Conectada: Um Estudo dos Consumidores dos Estados Unidos, Europeus e Japoneses.” É uma pesquisa global, realizada com mais de 1.900 usuários nos Estados Unidos, Europa e Japão, tentando entender como as pessoas realmente se sentem sobre segurança e privacidade em relação aos dispositivos IoT.

Esse é um estudo amplo, com numerosas percepções inéditas do ponto de vista de pessoas reais em relação à segurança e privacidade e a Internet das Coisas. Algumas das percepções desse relatório:

  • Nos últimos cinco anos houve um DECLÍNIO entre os entrevistados que se identificavam como “Centrados em Privacidade”, enquanto que a maioria deles também disse ter ficado mais preocupado com a privacidade e segurança de suas informações pessoais. Em geral, isso mostra um possível sentimento de inutilidade em tentar proteger informações pessoais.
  • Esse sentimento de possível inutilidade também se refletiu nas respostas dos entrevistados, mostrando que 75 por cento deles dizendo não acreditar que podem controlar suas informações pessoais e 82 por cento indicando não ter informações suficientes dos fabricantes a respeito de como suas informações pessoais serão usadas.
  • Talvez não seja surpresa que a maioria dos entrevistados NÃO acredite que os benefícios da IoT superem suas preocupações com a privacidade.

Esse último ponto é importante porque outra coisa que nossa pesquisa mostra é que os entrevistados vêem a proposta de valor acerca de suas informações pessoais e poderiam ser levados a fazer uma venda baseada no valor de suas informações para o comprador certo pelo preço certo. Sessenta e um por cento dos entrevistados entendem que as informações pessoais são inestimáveis e 53 por cento deles as vêem como um bem vendável, semelhante a bens e comodities comercializáveis. Nosso relatório se aprofundou nessa última questão pedindo aos entrevistados para colocarem um valor nas suas informações pessoais, para uma possível venda. O relatório inclui uma extensa lista de preços de dados pessoais e também desenvolvemos um infográfico que mostra esses preços. Entre os achados mais notáveis: os entrevistados, em média, consideraram $76 dólares um preço justo por suas senhas, $60 dólares por sua condição de saúde e, surpreendentemente, $56 dólares por seus números da seguridade social. Um infográfico destacando mais amplamente os preços também está disponível.

Falaremos mais sobre nossas descobertas desse relatório neste blog, durante o ano. Por enquanto, veja nosso relatório e infográfico aqui.