Qual o valor da nossa segurança e privacidade nas redes sociais?

Você se preocupa com segurança e privacidade quando está usando suas redes sociais favoritas? Se você tivesse que escolher, qual teria prioridade ? Tais questões podem nunca ter passado pela cabeça dos “cidadãos da net” normais. Mas, com as violações de dados, roubo de identidade e o crescimento do compartilhamento de informações pessoais pelos provedores de serviço, tais considerações vão definir o formato de nosso relacionamento futuro no mundo conectado em que vivemos.

Por isso a Trend Micro recentemente encarregou o Instituto Ponemon de realizar um estudo detalhado sobre os consumidores dos EUA e sua atitude em relação à privacidade e segurança. Os resultados apresentam uma imagem complexa, impregnada com um sentimento de impotência por parte dos usuários e uma falta de compreensão de como nossos dados pessoais são usados no moderno mundo digital da mídia social.

Perigos sociais

Estamos vivendo nossas vidas cada vez mais online. A mídia social nos juntou, enriqueceu nossas vidas pessoais e relacionamentos de negócios, nos deixando até mais produtivos. Mas onde os usuários de computador vão, os bandidos também vão. Os cibercriminosos entraram em peso nos sites sociais, vendo uma oportunidade para roubar informações pessoais, propagar malware para futuros ataques e fraudar usuários desavisados.

Esses são alguns dos perigos à privacidade que os usuários das redes sociais encontram hoje em dia:

  • Likejacking (sequestro do curtir) no Facebook: uso de postagens intrigantes, geralmente referentes a eventos atuais, para levar os usuários a clicarem em links maliciosos ou de phishing.
  • Apps falsos: que podem levar a spam, phishing ou malware através do Facebook
  • Ataques no Chat do Facebook: que podem propagar malware através de links não solicitados e promover apps de phishing
  • Tweets de spam e links maliciosos no Twitter: representam uma grande ameaça aos micro blogueiros

Por isso a Trend Micro criou uma segurança para mídia social nos nossos produtos há anos. Nós verificamos e bloqueamos links maliciosos, monitoramos configurações de privacidade para permitir que os usuários saibam se compartilharam demais online, e muito mais.

Perfis de privacidade

Mas, apesar das armadilhas, os usuários estão realmente preocupados com sua privacidade na mídia social? Segundo essa pesquisa do Instituto Ponemon, houve um aumento de usuários “sensíveis à privacidade”, de 55% há cinco anos para 61%. Existem usuários que pensam que a privacidade é importante, mas que raramente irão mudar seu comportamento online, mesmo sendo atingido por um grande incidente cibernético. Ao contrário, o número de usuários “centrados em privacidade” – os que mudariam seu comportamento (depois de evento preocupante) caíram de 22% para 14%, no mesmo período.

O que isso significa? Significa que cada vez mais usuários se sentem impotentes para impedir a intrusão de privacidade ou que não entendem as questões envolvidas.

Segurança versus privacidade

Isso coincide com outra parte da pesquisa. Ao perguntar aos usuários como se sentem em relação à privacidade e segurança na mídia social, o Ponemon descobriu que 68% dos usuários tinham preocupações com a segurança na mídia social e apenas 46%  delas se preocupavam com a privacidade. As estatísticas foram ainda mais acentuadas em relação a Internet das Coisas, com 75% dos entrevistados dizendo ter preocupações com a segurança versus 44%, com a privacidade.

Claramente, os usuários têm preocupações sérias com a segurança de seus dados. Isso pode ter sido causado pelo crescente volume de violações de dados e de sua cobertura no noticiário cada vez mais frequente. Mas, parece que apesar da maioria dos consumidores achar que a privacidade é importante, não mudarão seu comportamento (como, parar de usar a mídia social) por causa de suas preocupações.

Como o relatório acertadamente diz, “embora os indivíduos possam ter segurança sem privacidade, não podem ter privacidade sem segurança”.

Isso tudo nos dá uma visão fascinante da mente dos usuários de mídia social dos EUA, uma visão que seria bom o setor notar. Todos nós também deveríamos tirar alguma coisa dessas descobertas – para melhorar a segurança da mídia social, educar melhor os usuários sobre a privacidade online e garantir um maior controle sobre nossas informações pessoais.

Para saber mais sobre a pesquisa, clique aqui para baixar uma cópia do relatório Privacidade e Segurança em uma Vida Conectada: Um Estudo dos Consumidores dos EUA.