A nuvem e a saúde: como a segurança impacta a proteção do paciente fora do ambiente médico

mencionamos em nosso blog que o setor de saúde vem sendo visado por hackers, que buscam informações pessoais sensíveis, ao invés de dados financeiros, como em casos mais típicos de invasões a sistemas e redes. A franca e acelerada digitalização de hospitais, laboratórios e clínicas faz com que a quantidade de dados privilegiados armazenados e processados venha subindo rapidamente nos últimos anos, criando um panorama atraente para criminosos que buscam resultados de exames, históricos e outras informações pessoais sigilosas.

Ao mesmo tempo em que as ameaças crescem em intensidade, complexidade e variedade, a pressão sobre as organizações (de saúde e outros segmentos) aumenta, na medida em que leis como a LGPD se tornam realidade no Brasil e no exterior (a exemplo do GDPR, na Europa), trazendo consigo perspectivas de sanções e penalizações caras e com potencial de grandes dores de cabeça para a empresa. 

Diante desta realidade, as organizações da área da saúde só têm uma alternativa viável: se manter à frente das ameaças com sistemas de proteção digital efetivos, que consigam proporcionar uma segurança consistente. Por isso, é importante saber o que estes sistemas devem oferecer, que tipo de recursos eles precisam ter para enfrentar efetivamente os perigos que cercam sua empresa:

  • Visibilidade e gestão centralizadas: com o uso cada vez mais intenso de nuvens e ambientes híbridos, é importante contar com uma ferramenta que não só consegue abranger diversos ambientes, mas traz uma visibilidade clara sobre todos eles, com gestão simplificada e possibilidade de rápida tomada de decisão;
  • Integração: suas defesas precisam ser integradas e sólidas, evitando brechas que possam ser exploradas. Por isso, invista em uma solução que funcione de forma fluida e consistente com outras que já existem em suas redes e servidores;
  • Flexibilidade e adaptabilidade: as ferramentas mais modernas do mercado contam com capacidade de aprendizado contextual, por meio de machine learning e inteligência artificial, o que proporciona uma proteção muito mais efetiva, flexível e ágil. Este tipo de recurso permite que a ferramenta identifique atividades suspeitas e acione as medidas necessárias para contenção de problemas antes que eles comprometam dados e sistemas, o que é fundamental para uma segurança realmente sólida;
  • Inteligência de ameaças: conte com uma solução que tenha seus bancos de ameaças alimentados por pesquisas avançadas e recentes, de modo que esteja sempre com as informações mais novas e completas para enfrentar todo tipo de perigo;
  • Virtual patching: muitas vezes, as vulnerabilidades nativas do sistema oferecem a oportunidade necessária para hackers invadirem servidores e redes, por isso, é recomendável que sua solução de defesa ofereça um sistema de patching virtual, o qual blinda estas vulnerabilidades contra explorações até uma solução definitiva do fabricante.

Com estes recursos, os dados de pacientes ficam muito mais protegidos contra invasões e vazamentos, o que ajuda a evitar problemas legais por parte de hospitais, clínicas e laboratórios, além de manter a imagem da sua empresa forte perante o público, evidenciando a preocupação da empresa com o sigilo e o cuidado com as informações de seus clientes.