Minha página está segura contra o DDoS?

A Internet das Coisas, conhecida pela sigla IoT, abriu um leque fabuloso de possibilidades tecnológicas, mas também facilitou o trabalho de hackers que visam derrubar sites e servidores por ataques de negação de serviço – o DDoS. Descubra como se proteger desta ameaça que tem ganhado destaque no mundo digital.

Ataques DDoS – Distributed Denial of Service – não são exatamente uma novidade no mundo digital e, ao longo dos anos, já fez vítimas em todas as esferas de atuação, de organizações governamentais a sites corporativos. Com a evolução dos sistemas de proteção, o número máquinas infectadas necessárias para prejudicar a estabilidade de aplicações web tornou-se maior. Recentemente, porém, um novo elemento no ambiente cibernético mudou novamente o panorama do jogo: a Internet das Coisas.

A chamada IoT (sigla para Internet of Things) é a denominação para os objetos conectados à Internet e que não são primariamente computadores; nesta categoria estão os famosos wearables (relógios, óculos etc.), eletrodomésticos e até veículos, que agora são capazes de ajudar sensivelmente no dia-a-dia dos usuários com lembretes e organização de elementos relevantes à sua função. Infelizmente, estes equipamentos têm baixo nível de defesa e, embora não necessariamente carreguem em si dados muito sensíveis, são ótimas portas de entradas para redes e, igualmente, para servirem de bots para ataques de DDoS. Considerando que estes aparelhos agora estão sendo vendidos em larga escala, isso representa efetivamente um exército de máquinas à disposição de hackers.

É importante ressaltar que ataques DDoS geralmente são ligados a atos de ativismo digital – hacktivismo, no jargão – e, por isso, tende a ser direcionado a algum tipo específico de organização, como sites de políticos, departamentos governamentais e empresas que tenham envolvimento com causas controversas; por outro lado, ataques deste tipo podem derrubar servidores compartilhados ao atacar um site específico, atingindo outros no processo. Caso a organização afetada dependa do site para gerenciar o relacionamento com o público ou para realizar transações comerciais, isso pode ser um enorme problema, pois irá afetar diretamente a capacidade de operação do negócio; em casos assim, é fundamental que a organização esteja prevenida com um bom sistema de proteção.

Como este tipo de ataque usa de “força bruta” para derrubar o servidor, tentando sobrecarrega-lo gerando um tráfego artificial muito grande – da ordem de centenas ou até milhares de Gbps – sua solução precisa ser capaz de identificar a anomalia das requisições de acesso, registrando e bloqueando os IPs ligados ao ciberataque, de modo que o servidor não precise processar pedidos relacionados ao ataque e, com isso, não fique indisponível para os acessos verdadeiros. Tal precaução pode ser determinante para garantir a operabilidade do sistema e da continuidade dos negócios, por isso é uma opção altamente recomendada para empresas que possam ser alvo deste tipo de ataque e, igualmente, para empresas que dependem de seus sites para poderem operar com tranquilidade e segurança.