A Nuvem: o que é e qual sua utilidade

De transmissão de vídeos a aplicativos baseados na Web, sistemas de CRM, mobile banking, inventário e análise de big data, a nuvem está auxiliando na capacitação de empresas de todos os tamanhos a fim de que elas se concentrem mais em inovação e não em infraestrutura.

Com o passar da última década, a nuvem tem sido um componente integral do desenvolvimento de softwares e das operações gerais de negócios. Ela abriu várias possibilidades para pequenas e médias empresas, bem como usuários individuais, de obterem fácil acesso a recursos de armazenamento e processamento de dados. 

Cloud computing, ou computação em nuvem, se refere ao armazenamento e acesso a dados, software, programas ou serviços pela Internet – a nuvem – ao invés de discos rígidos físicos, servidores ou mainframes.

Por meio da computação em nuvem, dados importantes podem ser acessados a qualquer momento com conectividade à Internet, independentemente de onde o usuário esteja localizado. Também dá às organizações a flexibilidade de alocar e realocar recursos com base em suas necessidades dinâmicas.

Provedores de nuvem, tais como Amazon Web Services (AWS), Microsoft Azure e Google Cloud, fornecem recursos de computação para usuários e organizações em todo o mundo.

A nuvem abriu o caminho para organizações de todos os setores passarem por uma transformação digital. E a mudança foi repentina – de acordo com a Forbes, até 2020, 83% dos workloads corporativos já estarão na nuvem.

As vantagens comerciais da computação em nuvem

Como as organizações estão livres do ônus e da responsabilidade de manter e pagar por sua própria infraestrutura, o tempo necessário para desenvolver e implantar aplicações e serviços é drasticamente reduzido. As organizações podem se concentrar no desenvolvimento de aplicativos, ao invés da penosa manutenção manual e do gerenciamento da infraestrutura para garantir que o software e as ferramentas estejam nas versões mais recentes.

Com a nuvem, as organizações se tornam mais otimizadas – portanto, elas podem alcançar seus clientes de forma mais veloz, testar e implantar suas aplicações mais rapidamente e impulsionar ainda mais a inovação.

O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (NIST), dos Estados Unidos, apontou cinco características essenciais para o que cada modelo de nuvem deve ter:

Autoatendimento sob demanda. Os usuários podem organizar automaticamente recursos de cloud computing conforme suas necessidades e demandas, sem precisar se comunicar primeiro com seu provedor de serviços em nuvem.

Amplo acesso à rede. Com a conectividade com a Internet, os usuários são capazes de acessar recursos amigáveis e dependentes da nuvem em qualquer plataforma – seja por telefone celular, laptop ou estação de trabalho – em qualquer lugar do mundo.

Agrupamento de recursos. Cloud é uma plataforma multitenant. Isso significa que vários usuários podem usar um serviço de nuvem e receber o número de recursos necessários, sem poder regular ou saber exatamente onde os recursos estão localizados.

Máxima elasticidade. A qualquer instante, os usuários podem adquirir mais ou menos recursos da nuvem à medida que aumentam ou diminuem, correspondendo à demanda da empresa. As empresas podem atualizar ou reduzir rapidamente as opções de armazenamento ou passar de uma opção como serviço para outra sem precisar fazer uma alteração substancial em sua infraestrutura de TI atual.

Serviço na medida. A fim de suprir uma demanda crescente, os provedores de serviços em nuvem são capazes de fornecer recursos suficientes aos usuários que necessitam de mais para continuar seu serviço. Por serem altamente mensuráveis, os níveis de uso ou consumo dos usuários são observados, controlados e detalhados com precisão, tanto para usuários quanto para provedores.

Um olhar mais atento à nuvem

 

Quais são os diferentes modelos de implantação de computação em nuvem?

 

Nuvem pública

  • Uma infraestrutura aberta para uso pelo público em geral ou por um grande grupo da indústria
  • Opera em um modelo multitenant: vários usuários de diferentes organizações acessam o serviço ao mesmo tempo
  • O provedor de serviços de nuvem é proprietário e fornece manutenção e gerenciamento do serviço cloud
  • A capacidade sob demanda permite que os recursos sejam alocados dinamicamente com base nos requisitos dos usuários
  • É encontrada nas instalações do provedor de serviços de nuvem e pode ser acessada via Internet
  • Geralmente usada para aplicações ou operações menos integrais
  • Ideal para usuários individuais e pequenas e médias empresas

 

Nuvem privada

  • Uma infraestrutura dedicada que atende a uma única organização e é inacessível para quem está fora da organização
  • Opera em um modelo de single-tenant: somente os funcionários de uma organização podem acessar a nuvem privada para diferentes necessidades operacionais
  • A organização é responsável pelo pagamento dos custos de aquisição, implantação e manutenção
  • Os recursos podem ser alocados dinamicamente com base nas demandas dos usuários
  • Pode existir nas instalações do provedor de serviços de nuvem ou como configurações de servidor em execução fisicamente nas instalações da organização
  • Geralmente usada para dados ou aplicações confidenciais, bem como operações que exigem um alto nível de controle
  • Ideal para organizações de saúde, agências governamentais, instituições financeiras e empresas de telecomunicações

 

Nuvem híbrida

  • Uma combinação de modelos de nuvem pública e privada, fundindo a natureza confiável da nuvem privada e a capacidade sob demanda da nuvem pública
  • Ideal para empresas que prestam serviços ou oferecem produtos

 

Quais são os diferentes modelos de serviço em nuvem?

Software como serviço (SaaS)

O SaaS é o tipo de modelo de serviço em nuvem mais usado. As aplicações são hospedadas por um provedor de serviços baseado em nuvem e podem ser acessadas através de uma rede ou via internet. Simplificando, ele está usando um software essencial que não é salvo em um computador, mas ao invés disso, em um servidor que pode ser acessado pela Internet.


Os provedores de SaaS gerenciam, mantêm e têm controle sobre a infraestrutura da nuvem (hardware e software), bem como sua segurança. Alguns exemplos de SaaS incluem Gmail ou Office 365, Google Apps, Salesforce e Netflix. Devido à sua natureza amigável, o SaaS não requer habilidades técnicas para usar ou adotar.

Benefícios:

  • Interface fácil de usar
  • Novos lançamentos e atualizações automáticas
  • Baixos custos iniciais
  • Altas taxas de uso

 

Plataforma como serviço (PaaS)

PaaS é um modelo de cloud computing em que usuários ou organizações podem criar, testar, gerenciar e hospedar suas aplicações. Ele fornece aos usuários recursos de computação, além de ferramentas e software para desenvolver seus aplicativos, incluindo middleware, gerenciamento de banco de dados ou sistema operacional. Como os provedores de SaaS, os provedores de PaaS gerenciam, mantêm ou têm controle sobre a infraestrutura de nuvem, bem como sua segurança.

O PaaS é usado principalmente por desenvolvedores de aplicativos e, portanto, requer habilidades técnicas para se operar.

Benefícios:

  • Custos administrativos reduzidos
  • Maior agilidade
  • Gerenciamento de aplicativos centralizado e simplificado
  • Menor tempo de colocação no mercado

 

Infraestrutura como serviço (IaaS)

O IaaS é um modelo de serviço em nuvem que fornece aos usuários ou organizações recursos de computação e processamento, máquinas virtuais (VMs), armazenamento e redes. Seus servidores podem ser tanto físicos quanto virtuais. Ao contrário de SaaS e PaaS, os usuários de IaaS têm controle sobre a infraestrutura de nuvem, bem como sua segurança. O provedor de serviços IaaS cuida da infraestrutura enquanto o usuário compra, instala e gerencia os sistemas operacionais, o middleware e as ferramentas necessárias para desenvolver suas aplicações.

Profissionais altamente técnicos, como arquitetos de infraestrutura e rede, usam o IaaS.

Benefícios:

  • Despesas reduzidas de inicialização e manutenção
  • Escalabilidade aumentada
  • Inovação mais rápida
  • Continuidade comercial aprimorada e recuperação de desastres

 

Mantendo-se no topo da nuvem com as soluções de segurança da Trend Micro

A nuvem, com suas muitas vantagens comerciais, pode capacitar organizações de todos os tamanhos para expandir seus negócios mais rapidamente, otimizar operações melhor e inovar produtos e serviços mais rapidamente. As empresas devem garantir que tudo o que moverem para a nuvem – aplicativos, dados e software, entre outros – seja protegido contra as ameaças mais recentes e sofisticadas.

A Trend Micro foi pioneira no uso da nuvem para identificar ameaças emergentes de forma rápida e eficaz por meio da infraestrutura Trend Micro™ Smart Protection Network™, que analisa diariamente centenas de terabytes de informações sobre ameaças. Essa valiosa fonte de inteligência de ameaças está conectada a todos os produtos e soluções de segurança da Trend Micro.

A solução Hybrid Cloud Security da Trend Micro fornece segurança poderosa, simplificada e automatizada no pipeline de DevOps da organização e oferece várias técnicas multigeracionais de defesa contra ameaças (XGen™) para proteger workloads físicos, virtuais e em nuvem, em tempo de execução. Ele também adiciona proteção para contêineres por meio da plataforma Deep Security™ e do Deep Security Smart Check, incluindo a varredura de imagens de containers durante a pré-implantação e no runtime.

Finalmente, seguindo sua tradição de liderar a inovação em cibersegurança, a Trend Micro está lançando o última palavra em proteção em nuvem: Cloud One.  

Idealizada para a nuvem, esta plataforma de serviços de segurança em nuvem atua desde o código até a operação neste ambiente, com máxima integração com AWS, GCP e Azure. Otimizada para DevOps, ela permite enfrentar os desafios do dia a dia de maneira flexível e dinâmica. Essa solução permite que as organizações se concentrem na segurança e conformidade enquanto ainda se deslocam no mundo ágil e adaptável do DevOps. Eles também reduzem o número de ferramentas de segurança necessárias com vários recursos de segurança e um único painel para dar total visibilidade aos principais ambientes, como o Amazon Web Services, Docker, Microsoft Azure e VMware. A solução Trend Micro Deep Security reduz o custo e a complexidade de proteger workloads em diversos ambientes, incluindo implantação automatizada, ampla integração de API e recursos de segurança que podem efetivamente blindar os servidores contra as ameaças avançadas mais recentes.